sexta-feira, novembro 17, 2017

NOVA NASCENTE

Vim beber a vida aos horizontes da alma,
 olhei o infinito que contém uma esperança,
quebrei amarras, lancei as velas de temperança.
Despi o manto de negro fumo e falsa calma.
Vim ver o outro lado do mundo; que não conheço,
onde tropeço, mas me embrenho e recomeço.

Vim beber a aurora aos horizontes do amor,
ainda que haja noite, penumbra e sombra,
haverá sempre a esperança, remédio que desensombra
as agruras do caminho. Bebo naquele rubro fragor
de quem semeia novas sementes em terras de poesia,
em sonhos de menina, em trajes de fantasia.
Vim beber a vida aos horizontes da alma.

Nasce o dia: um novo dia, esplendor que acalma

sábado, novembro 04, 2017

UM DIA... AS BRUMAS, MAIS NADA



Um dia, a luz é só uma luz e o sol apenas um brilho quente.
Um dia, o perfume não tem cheiro, nem o mel sabe a natureza.
Um dia, o dia não mais significa viver; será apenas um molho de horas
que passam em sonolento limbo, onde tudo é nada: e nada é tudo.

Um dia tudo será uma sombra ensombrada, sem cor e dormente.
Um dia, um olhar apenas significa que se vê, mas que se perdeu a beleza,
que se perdeu o vigor, o sentido e a razão, e que tudo se prende com escoras
feitas de teias de aranha, feitas de brumas e de tempo passando: mudo.

Um dia, as mãos vão esquecer-se do caminho, do préstimo, do sentido,
nada mais que conchas vazias em areal estranho e intemporal.
Um dia, apenas a névoa povoará o olhar, encherá o corpo, a alma, a vida.
Um dia, as memórias serão farrapos sem nexo, desgarradas e esparsas.

Um dia de nada servirão os esforços, o empenho, a luta; estará perdido
o mundo periclitante onde se equilibram os passos, lutando contra o vendaval.
Um dia terei que deixar-te ir após as lutas que nos levam de vencida.
Um dia será o vazio; nada mais restará que vazio, num voo de brancas garças.



Lágrimas de lua